Projeto de nosso segmento de casas modernas minimalistas com aproximadamente 500 m,² parcialmente pré-fabricada e utilizando estrutura metálica na cidade de Porto Velho, Rondônia.

O apurado estudo de insolação foi o grande norteador da implantação deste projeto. Devido ao forte sol da região optamos pela orientação longitudinal do pavimento superior convertendo-o em um grande prisma longilíneo banhado pela luz da face sudeste. Toda a fachada do pavimento encontra-se devidamente protegida por uma pele dinâmica em chapas perfuradas de aço corten que desempenha várias funções: ajuste da iluminação nos ambientes, privacidade controlada nas suítes e também serve como elemento estético para “neutralizar” a fachada, tornando-a assim o mais homogênea possível, recurso que utilizamos com bastante frequência em nossas casas modernas minimalistas.

A utilização da estrutura metálica se faz crucial neste trabalho pois permite grandes balanços nas fachadas frontal e posterior, agregando grande leveza ao conjunto e destacando ainda mais os dois volumes principais que compõem a construção. Outro ponto importante na adoção deste sistema estrutural é a necessidade de, pelo grande regime de chuvas, utilizarmos beirais muito alongados ao redor de todo o pavimento superior. Estes beirais possuem mais de dois metros de extensão e são peças importantes no conforto da residência e também na usabilidade da casa durante o período de chuvas na região.

Tendo em mente uma arquitetura de alto desempenho e baixa manutenção elaboramos um escopo construtivo bem calcado na praticidade: fachada principal será toda em aço corten, o que praticamente elimina a necessidade de manutenção, e o restante do conjunto será em concreto aparente e pedra natural, ambos materiais de alta durabilidade e manutenção muito facilitada. Quanto aos ambientes internos temos, além do emprego do drywall, o uso de concreto e granilite nos acabamentos, que permitem uma abordagem mais “natural” e despojada.

O objetivo final deste trabalho é explorar intensamente as texturas “naturais”, sobretudo nas fachadas, com o objetivo de fundir este artefato tecnológico (parcialmente pré-fabricado) a paisagem exuberante da região.